terça-feira, 8 de outubro de 2013

Cuba - Algumas considerações

"Esta noite milhões de crianças dormirão na rua, mas nenhuma delas é cubana" 
Fidel Castro

Se você quiser saber mais sobre Cuba, perceberá, numa breve pesquisa, que a informações sobre essa Ilha são de certa forma escassas. Geralmente estão em livros ou documentários protegidos por copy right, o que dificulta ainda mais o processo.  Por conta disso, resolvi postar aos leitores do Blog um resumo do livro "A Ilha" de Fernando Morais. Mesmo sendo um obra de 1976, apresenta muitas curiosidades sobre o funcionamento da ilha; sua cultura, seu povo, sua politica, cotidiano e etc. ainda válidos para o entendimento desse curioso país.
Fernando Morais - Nascido em Mariana, Minas Gerais, em 1946, é jornalista. Trabalhou no Jornal da Tarde, na revista Veja e em várias outras publicações da imprensa brasileira. Recebeu três vezes o prêmio Esso e quatro vezes o prêmio Abril de jornalismo. Foi deputado e secretário da Cultura e da Educação do Estado de São Paulo. Fonte: www.fernandomorais.com.br


Cap. 1 - O cotidiano
Em Cuba, o turismo ocupa o terceiro lugar como fonte de divisas para ilha, ficando atrás somente do Tabaco e do Açúcar, respectivamente. O processo de reabertura da ilha se deu a partir de 1974. Os atrativos pré revolução (cassinos, prostituição, drogas) foram extintos. O turismo é movido pela beleza natural da Ilha, suas praias e etc. O estado domina 96% do PIB.

Cap. 2 – Cultura / Relações com o mundo
A política editorial de cubana não observa os padrões internacionais de direitos autorais. Diversas obras são traduzidas e editadas sem o pagamento de royalts, prática que chamam de “fuzilamento de livros”.
São abertos a filmes estrangeiros, com predominância para os do Leste Europeu. São excelentes produtores de documentários.
O Beisebol é o esporte nacional. As duas coisas que fazem a ilha parar são: 1. Final do campeonato. 2. Novela (principalmente as da rede Globo)
Em Cuba o esporte é amador. Não há profissionais. Os atletas são assalariados de diversas áreas que folgam em dias de treino.  3 anos após a amadorização do esporte, a Ilha obteve títulos mundiais.
A religião católica caminha em paz com a revolução, “contanto que os padres tratem apenas de religião” (palavras de Fidel Castro).    

Cap. 3 – O racionamento
Alguns gêneros alimentícios são racionados. A população só tem o direito a uma porção determinada, porém o preço é acessível a todos. É uma estratégia para se distribuir a produção agrícola entre os habitantes (em torno de 10 milhões). A distribuição e comercialização ficam a cargo do ministério do interior. Cada supermercado só pode vender aos consumidores locais.
A total dependência da economia americana foi sentida a partir de 1961. A partir desta data, a Rússia  assume o papel econômico dos Estados Unidos.

Cap. 4 – Um país sem favelas
As disparidades de renda são mínimas. Comparados aos países capitalistas, o piso e o teto salarial em Cuba são próximos.
A solução do problema da falta de moradia era o grande objetivo da reforma urbana na Ilha. Dentre as medidas adotadas estão: a expropriação, a construção de conjuntos habitacionais e a criação das micro-brigadas para construção civil. Estas, são grupos compostos por voluntários de diversas áreas de atuação (padeiros, professores, operários), com o objetivo de construir casas para a população sem teto (uma sugestão do próprio Fidel Castro). Foi a solução encontrada para o déficit habitacional, embora ainda não resolvido inteiramente. Cuba é o único país da América Latina que não possui favelas. 

Cap. 5 – A nova escola
Em 1959, 35% da população da ilha era analfabeta. Em 1975 esse índice era de apenas 2%. Isso graças as “brigadas alfabetizadoras”, grupos compostos por estudantes e trabalhadores (mais de 100 mil) para erradicar o analfabetismo.
A gratuidade do ensino em todos os níveis foi instituída em 1961. Compreende além das aulas, da infra-estrutura e transporte, também alimentação e material de apoio.
Dentre as principais mudanças ocorridas através da revolução na área da educação, podemos citar a criação dos colégios secundários integrais rurais, que são escolas onde os jovens aliam o estudo e o trabalho no campo.  Com essa medida, é possível a produção de cítricos, arrebanhamento de mão de obra qualificada, aliança entre a teoria e a prática.

Cap. 6 – A saúde
A medicina preventiva de Cuba não se deu por acaso. A saída de médicos cubanos para os EUA atingiu diretamente a população, a prevenção passou a ser uma medida para que as pessoas não precisassem dos médicos. A saúde na Ilha é gratuita, assim como os remédios. Para formar-se, o estudante de medicina estuda 11 anos, o que inclui graduação, estágio e serviço na zona rural. Cuba possui um dos menores índices de mortalidade infantil do mundo.

Cap. 7 – A Imprensa
Liberdade de imprensa é um conceito burguês. A imprensa serve aos donos do poder. Já que em Cubam o poder está nas mãos do proletariado, a mídia serve a estes (pg. 101). O restante do capítulo é usado para síntese dos conteúdos midiáticos cotidianos da Ilha.

Cap. 8 – A mulher
O machismo é um sentimento bem presente na sociedade cubana, tão forte que chega a atrapalhar o processo de inserção da mão de obra feminina na vida produtiva. Com o objetivo de vencer essa barreira, o próprio Fidel Castro em seus discursos procura enfatizar o valor da mulher na sociedade, a importância do respeito a elas, de sua participação na vida política e produtiva.

Cap. 9 – Eleição – Justiça
As eleições pós 1959 foram realizadas na Província de Matanzas em 1974. Consistiu na escola de delegados regionais, uma forma de descentralização de algumas responsabilidades como educação, lazer, saúde e etc.
A justiça precisou de uma reforma em sua constituição, pois a anterior trazia elementos não condizentes com a Revolução, alguns desses herdados do tempo da colonização. O roubo é severamente intolerado, o esquema judicial é composto por juízes regionais que são eleitos pelo povo. As prisões são “abertas”, o trabalho obrigatório. Além dos casos judiciais cotidianos, os juízes também podem investigar o processo revolucionário, investigando perseguições particulares ou coisa do tipo.

Cap. 10 – Reforma agrária, Economia
A reforma agrária em Cuba foi uma promessa pré Revolução. Tomado o poder, o estado instituiu o limite máximo para a posse de terras. Partes das áreas agricultáveis estão nas mãos do estado. A produção se concentra principalmente na cana de açúcar, no tabaco e nos cítricos. Só açúcar garante praticamente 50% do PIB da Ilha. A economia cubana passa por uma industrialização ainda tímida, com ajuda de países da URSS e alguns Europa Ocidental. Tem o Japão como um dos principais parceiros comerciais.